O Polvo e a Borboleta

Uma história de emoção e superação que marcou pra mim o 8º episódio do BBQ Brasil do SBT.

Quem me conhece sabe o tamanho do desafio que é o BBQ Brasil pra mim. Quando eu era criança meus pais me colocaram medo de aceder o fogo e isso me afastou do fogão por muito tempo, aliás, pelos meus 33 anos bem vividos. Foi muita paixão pelo churrasco que me levou a superar esse medo e encarar o desafio que vai eleger o melhor churrasqueiro do Brasil, e ele pode ser eu!

Como em tudo que me propus fazer na vida, estudo muito todos os dias para aprender novas técnicas e encarar com mais segurança os desafios propostos na competição e nos dois últimos episódios não consegui entregar com excelência meu churrasco como deveria. Nesse nível da competição minha vontade de ir mais longe é muito maior, e começa a apertar no psicológico aquela pressão que eu carrego em mim de representar a mulher do meu faroeste paulista na competição.

Como gravamos as provas em seguida uma da outra, (as 3 ultimas na m sua semana), a prova do frango me fez lembrar muito da minha avó, minha maior companheira da vida toda que almoçava em casa todo domingo e não podia faltar o franguinho dela nesse menu. Naquele dia fazia 3 meses que ela tinha partido.

Antes de entrarmos para o set no dia da gravação da prova de hoje (de frutos do mar), eu estava muito nervosa, sabia que ali podia ser a minha última chance de mostrar o que sei fazer. Estávamos todos (participantes e produção) sentados do lado de fora do camarim esperando nos chamarem para gravar, quando fui até aquele lago (que aparece nas filmagens) fazer minha oração e me conectar com a natureza, como eu fazia todos os dias antes de cada prova. Quando voltei, me sentei ao lado do barranco e o Pipoca, cachorro da pousada vizinha que adotamos, veio e encostou sua cabeça no meu colo como se soubesse o quão nervosa eu estava. E antes mesmo de eu erguer meu olhar pra ele, um borboleta sentou no meu braço. Todo mundo que estava ali assistiu a cena é até sorriu de ver a natureza toda me procurando, rs. A borboleta me lembrou o quanto minha avó estaria orgulhosa de me ver ali, e quanta gente torcia por mim. Meus olhos se mcheram de água, mas disfarcei pros meus amigos não me verem chorando, e foi então que nos chamaram para gravar.

Foi com muita paz e alegria no coração que eu enfrentei a prova mais difícil da competição. Nunca havia feito um polvo, apenas comido. Já tinha lido sobre formas de preparo, mas é tão difícil pra mim guardar as coisas nessa cabecinha de vento. O importante é que deu certo, e finalmente consegui entregar o melhor prato da prova e encarar uma nova fase na competição, a de que entrou pra ser a melhor churrasqueira amadora do Brasil.